EMARVR APRESENTA NOVOS INVESTIMENTOS

poseur_identidade_CURVAS horizontal

EMARVR APRESENTA NOVOS INVESTIMENTOS

No passado dia 22 de fevereiro, pelas 11H00, a EMARVR anunciou à imprensa os novos investimentos a levar a efeito, financiados pelo Fundo de Coesão, através do POSEUR – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos, para os próximos anos.

O sucesso da submissão da candidatura, intitulada Despoluição da Bacia do Corgo – Ampliação de Redes de Saneamento e Reabilitação de ETAR’s, vai permitir realizar um investimento no valor total de 11.160.857,52€, essencialmente nas freguesias rurais que não dispõem deste serviço público de drenagem.

Sucintamente, a operação consiste na ampliação da rede pública de drenagem de águas residuais, nomeadamente através da instalação de redes de saneamento nas localidades de Agarêz, Arroios, Arrabães, Torgueda, Sanguinhedo, Alvites, Nogueira, Tanha, Alfolões, Vilarinho de Tanha, Carvas, Santa Marta, Vale de Nogueiras, Bairro de Sta. Maria, Bouça da Raposa, Abambres-Gare, Ponte, Bouça, Assento e na Rua das Lagareiras da aldeia de Guiães, que no seu conjunto servirão cerca de 5.750 habitantes. Inclui ainda a reabilitação de cinco Estações de Tratamento de Águas Residuais e a construção de uma nova Estação de Tratamento, localizada na aldeia de Nogueira.

Com este investimento, o indicador da acessibilidade física ao serviço de águas residuais no concelho de Vila Real passará dos atuais 63% para 74%, representando um acréscimo significativo de 11 pontos percentuais.

Além disso, enfatiza-se que o importante investimento em saneamento vem também dar resposta a questões ambientais, eliminando as fossas séticas individuais, geradoras de escorrências e infiltrações, que contaminam solos, linhas de água e lençóis freáticos. Acresce ainda que, em muitas situações a escorrência é feita a céu aberto para valetas ou valas naturais, o que traduz um risco acrescido para a saúde pública.

Esta operação contribui de forma decisiva para a resolução destas situações de risco e para o cumprimento da Diretiva de Águas Residuais Urbanas (DARU), promovendo assim a despoluição da bacia do rio Corgo.